O Sincero

         Gerson Kauer01

Gerson Kauer

“O homem sente estranho prazer

em dar notícias tristes.” (Antônio Maria) 

O Gustavo, depois que frequentou um ritual xamânico e fumou uma planta sagrada, jamais conseguiu mentir.

” Voltei do transe e soube, na hora, que toda a mentira tinha saído de mim! ” Contava com orgulho.

” Hoje, quando me perguntam algo e vejo que a minha sinceridade vai causar traumas, fico quieto. ”  O Gustavo é um cara muito quieto. E solteiro. Nenhuma relação sobreviveu depois de seu renascimento místico.

– O que achou do meu cabelo amor?

– Bah! Tu ficou a cara da Janis Joplin!

Pro Guto, ser a Janis Joplin é um elogio.

Conviver sem as tão necessárias mentiras sociais é impossível. Precisamos ouvir, de outras bocas, o som dos nossos pensamentos.

O Guto se tornou a pessoa ideal para dar noticias tristes. Ele gostava. Considerava sua missão no mundo, por isso foi conduzido até aquela planta.

“Não são as noticias que machucam, é a vida. A verdade nunca fere, a mentira sim.”

Este era mais um dos famosos provérbios de Guto.

Perdeu as contas de quantos avisos de falecimento e tragédias levou corajosamente ao conhecimento de parentes das vítimas. Empresas o contratavam para demitir funcionários, ele fazia questão de expor os reais motivos. Fez muitas inimizades.

Foi numa manhã agradável de setembro que os amigos o incumbiram da sua mais ousada missão. Comunicar ao Pedro Bala que sua esposa havia fugido com o Zé Galinha. Ela não estava visitando a mãe, conforme dissera ao truculento companheiro.

Muito já se filosofou sobre a cornice, mas nem o mais manso dos bovinos a aceita, assim de sopetão e com uma sinceridade pontiaguda. Foi assim que o Pedro Bala sentiu a notícia, uma grave punhalada no peito.

– Pedro, tu é corno, faz uns cinco meses, todo mundo sabia. E como é da praxe desses assuntos de guampa, tu tá sendo o último a ter ciência do fato. Como sou teu amigo te dou a real, sai dessa, tua mulher já fugiu com outro.

Foi ou não uma punhalada?

O Pedro Bala não queria ter matado o Guto, era seu amigo. No tribunal, ele alegou legítima defesa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s