Dois dedos de prosa com Machado de Assis

octavio tostesPor Octavio Tostes

Reencontrei Machado de Assis no Facebook. E da melhor forma possível: lendo sua prosa na página “O Rio de Machado de Assis”. A página faz parte do projeto de mesmo nome do Museu de Arte do Rio (MAR), dedicado a desvendar as ligações entre a cidade e a obra do autor. Nos posts um Machado redivivo conta a história de ruas e logradouros do Rio de Janeiro da virada do século XIX para o XX entremeada com lembranças de seus personagens.

Fotos e pinturas ilustram os textos, cartas breves em tom de crônica. A conversa – arguta sob a máscara das amenidades – alcança o presente. Como nesta menção aos aplicativos do projeto para celulares: ”agora aquilo que escrevi vai estar mais vivo, com as pessoas podendo revisitar a minha obra e dando ‘check-in’ (tive uma certa dificuldade para entender o que é isso) quando chegarem à Praia da Glória, tão importante para Dom Casmurro e sua Capitu, ou à Tijuca de ‘Iaiá Garcia’”.

Certa manhã ele postou que os comentários dos amigos do “mundinho azul” – como se refere ao Facebook – o estavam envaidecendo; e que olhando-o de soslaio sua amada  Carolina o reepreendera por deixar-se picar pela mosca azul.

Comentei:

“Prezado Joaquim Maria,

Permita-me tratá-lo pelo nome com que assina seus posts.

Faço-o inspirado em Nelson Rodrigues que dizia ser todo leitor um desconhecido íntimo.

O Antonio Prata escreveu dia destes uma crônica sobre isto. Contou que depois de conviver a distância com Rubem Braga por vinte anos, imaginou-se frente a frente com o Urso na lendária cobertura de Ipanema. Mas não se deu bem com a casmurrice do ‘velho Braga’. Felizmente, logo encontrou Ariano Suassuna e João Ubaldo Ribeiro – tão seus desconhecidos íntimos quanto aquele – e esbaldaram-se em conversa mais que loquaz no Antonio’s com Vinícius de Moraes e Millôr Fernandes.

Perdoe o volteio. É que você, mestre, traz à lembrança outros grandes cronistas que desdobraram este gênero onde também pontificou (sua estatura justifica a palavra). Tudo para agradecer-lhe a alegria que me tem proporcionado quando, após o café da manhã, trago a cigarrilha e passeio por suas memórias narradas em prosa magistral.
Dona Carolina que me perdoe também, e com todo respeito, mas você bem pode se dar ao luxo destes contidos acessos de vaidade.
Meu abraço agradecido e admirador,

Octavio”

Qual não foi minha surpresa quando, à noite, entrei no Facebook na redação em que trabalho e li:

O Rio de Machado de Assis:

Caríssimo, Octavio Tostes, lágrimas de emoção derramam-se pela homenagem. O senhor conseguiu uma grande proeza: deixar-me sem palavras. Mas permita-me deixar-lhe um abraço carinhoso. Do seu Joaquim Maria.”

Sem palavras, saí da página. De fininho… menino desconfiado de que fez arte.

Anúncios

Um comentário sobre “Dois dedos de prosa com Machado de Assis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s